b_sacre_coeur

3 vezes em que eu tive contato com a realeza do mundo

b_sacre_coeur
para um reles mortal, como eu, há missões que parecem impossíveis; dentre elas, uma das mais improváveis é a tentativa de interagir em nichos sociais completamente restritos, como o de nobres e afins. eu sei, como objetivo pessoal tenho pra mim que pretendo dominar o mundo… ainda assim, enquanto não realizo, aceito-me enquanto plebeu e, portanto, longe dos reais – sejam eles religiosos ou apenas aristocratas de boas famílias. mas, algumas vezes, por motivos insólitos, sim, eu acabei interagindo com a realeza; em alguns casos de maneira mais intensa, inclusive. sem mais delongas, vos conto-lhes agora:

1 – o Papa e eu

cá estava eu lá em Roma num daqueles diazinhos normais sem nada pra fazer além de um turismo prosaico, nenhuma expectativa, quando o então Papa antigo, Joseph Ratzinguer (era este o nome?), aparece na janela aquela dos discursos dos Vaticano… pra dar discurso! de forma totalmente inesperada, fora de um dia convencional no qual ele aparecia – porque ele tinha um dia programado pra isso -, a praça de São Pedro inclusive estava meio vazia, o Papa apareceu pra falar e eu, ali embaixo, entre os poucos 50 ou 60 metros que separava a gente, com umas 200 pessoas no máximo, talvez um pouquinho mais; creio que, quando ele deu aquela abanada clássica, saudando a galera em várias línguas, ele me viu em primeira mão e retribuiu meu sorriso.

2 – quando eu mandei condolências à Rainha

uma certa época eu estudei na Cultura Inglesa e, quem conhece, sabe que este curso em específico tem todo um aparato de contatos e apreços com a própria Inglaterra; então quando eu estava lá como mero estudante, veio a acontecer da antiga Rainha morrer, ao qual nós, alunos do curso, entramos em contato através de um livreto – que seria mandado para a própria família real -, para colocarmos nossas condolências à família. todos assinaram incluindo mimzinho, deixando uma mensagem e colocando uma carinha feliz no final, algo como ‘melhorem logo’ ou ‘sejam felizes’, enfim, tenho certeza que o serviço secreto inglês me investiga desde então. nenhuma outra pessoa no mundo colocou carinha naquele livro.

3 – fui saudado pela família real holandesa

a Holanda foi uma das seleções que veio à minha cidade jogar na Copa do Mundo e uma das coisas mais surreais aconteceu: quando a família real estava indo pro jogo, eu estava voltando pra casa com a cônjuge. quebramos numa rua aleatória para evitar o movimento, caminhando, e acabamos por nos deparar com uma rua completamente deserta, totalmente fechada. sem querer havíamos furado o bloqueio e no momento nem entendíamos o porquê de estar tudo bloqueado; foi então que, seguindo reto, vimos uma montoeira de policiais passando… e um enorme carrão preto… com a família real holandesa! não deu outra, como bons turistas, ficamos abanando e pulando pro carro feito idiotas, ao qual fomos respondidos: a galera de dentro do carro, a própria família real, abanou pra gente de volta! senti, ali, que faltou detalhe para nós sermos convidados a almoçar na mesma mesa.
e era isso galera; sigam-me, comentem e compartilhem!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s